Covid-19: primeiro-ministro deixa apelo à vacinação porque “as vacinas salvam vidas”

 27.12.2021 às 13h18

SIC Notícias

SIC Notícias

Lusa

Lusa

Primeira vacina contra a covid-19 em Portugal foi administrada há um ano.

O primeiro-ministro assinalou esta segunda-feira o “momento histórico” da administração da primeira vacina contra a covid-19 em Portugal, há um ano, e renovou o apelo à vacinação, frisando que salva vidas.

Assinalando que “faz hoje um ano que foi administrada a primeira vacina” contra a covid-19 em Portugal, o chefe de Governo recordou “o olhar de esperança do prof. António Sarmento, médico do Hospital de São João, o primeiro vacinado no nosso país, e as suas palavras de confiança e serenidade nesse momento histórico”.

“As vacinas salvam vidas e protegem-nos dos efeitos mais severos da doença. Continuemos esse caminho e vacinemo-nos pela saúde de todos”, salientou o primeiro-ministro.

A covid-19 provocou mais de 5,39 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.874 pessoas e foram contabilizados 1.279.785 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

voos cancelados

De acordo com o ‘site’ da Flightaware, às 20:40 houve mais de 2.650 cancelamentos de voos, dos quais 940 são viagens relacionadas com os Estados Unidos, sejam internacionais ou internas.

Mais de 6.350 voos também sofreram atrasos em todo o mundo.

Na sexta-feira, cerca 2.400 cancelamentos e quase 11.000 atrasos foram identificados, de acordo com a mesma fonte, que já tem mais de 900 cancelamentos previstos para domingo.

Pilotos, comissários de bordo e outros membros da equipa tiveram de ser colocados em quarentena após serem expostos à covid-19, o que forçou a Lufthansa, a Delta e a United Airlines a cancelar voos.

Segundo a Flightaware, a United Airlines teve que cancelar cerca de 439 voos na sexta e hoje, cerca de 10% dos que estavam programados.

“O pico de casos de Ómicron em todo o país esta semana teve um impacto direto nas nossas tripulações e nas pessoas que dirigem as nossas operações”, afirmou a companhia norte-americana, assegurando estar a trabalhar para encontrar soluções para os passageiros afetados.

A Delta Air Lines também cancelou mais de 300 voos hoje e 170 no dia anterior, segundo a Flightaware, apontando a Ómicron e, ocasionalmente, condições climáticas adversas.

“As equipas da Delta esgotaram todas as opções e recursos” antes de decidir os cancelamentos, afirmou a companhia aérea.

Mais de 10 voos da Alaska Airlines, em que os funcionários indicaram “ter estado potencialmente expostos ao vírus” e tiveram de ser isolados em quarentena, foram também cancelados.

As companhias aéreas chinesas foram responsáveis pela maioria dos cancelamentos: a China Eastern suprimiu cerca de 540 voos, mais de um quarto do seu plano de voo, enquanto a Air China cancelou 267 voos, também perto de um quarto das suas partidas programadas.

Estes cancelamentos perturbam o desejo de retomar as viagens este ano para férias, depois do Natal de 2020 ter sido duramente atingido pela pandemia.

A covid-19 provocou mais de 5,38 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

fonte DN.